Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

LEMBRANÇAS: MINHA TIA NÁDIA

O que eu vou contar agora aconteceu há muito tempo. Meu nome é Cèlio, tenho 30 anos. Tenho uma tia, irmã de minha mãe, que é mais velha do que eu 19 anos, chamada Nádia,ou seja, ela na época tinha 30 anos e eu, 15. Ela é casada com dois filhos. O marido dela, Arnaldo, trabalhava como vendedor e precisava viajar muito, de forma que ela sempre dormia lá em casa com as crianças. Devo dizer que, além da minha efervescência hormonal natural da idade, nunca a vi com outros olhos até que tudo aconteceu. Tudo começou por acaso, ajudado por algumas circunstâncias. Meu pai tinha uma Kombi sem poltronas atrás que era o nosso veículo de passeio. Certo dia, íamos à praia; meus pais na frente e minha tia e mais uma criançada dos vizinhos atrás em pé, fazendo a maior bagunça, cantando , pulando. Ela encostada na bancada da frente, de vez em quando empinava para brincar com os meus pais. Usava um vestidinho saída-de-praia curto que de vez em quando se levantava com o vento, deixando à mostra suas nádegas carnudas sá amparada pela tanga laranja, amarrada ao lado (lembro cada detalhe).

Foi aí que se iniciou o meu tormento. Ela, até então, jamais perceberia nada e muito menos todas as crianças que lá brincavam. Mas a verdade é que aquela visão me despertou os sentimentos mais torpes em relação a ela: com toda gritaria e algazarra, eu estava sentado práximo a ela e comecei a imaginar coisas sem deixar de olhar a cada movimento mais exagerado dela e do vento. Num desses momentos, ela fez uma gracinha com alguém da rua e, em seguida, para não ser identificada, se abaixou, deixando a sua poupança bem no meu rosto: foi o suficiente para eu ter uma ereção instantânea. Juro que até hoje eu lembro o cheiro gostoso que senti do seu traseiro a milímetros do meu nariz e dos meus olhos. Então tive a “idéia” de participar da brincadeira. Pus-me de pé e comecei também a dançar e a pular, me aproximando cada vez mais dela, aproveitando cada sacudida do carro, na estrada de chão para, de alguma forma, sentir pelo menos um pouco o contato com aquele seu corpo. Mas não precisei tanto, ela, sem nenhuma maldade, acossada que estava pelas crianças, encostou em mim e, o pior (ou melhor?) é que dançando ao som da garotada, encostava aos poucos seu bumbum, às vezes, comprimindo-o completamente contra o meu membro já latejante. Que sensação aquela! Por mais que eu tentasse não conseguia deixar de gostar daquilo. Por vezes, sentia o seu rego encaixar-se perfeitamente em meu pênis o que me fazia delirar de tanta excitação. A partir daí, sempre procurava uma situação para me encostar àquela bunda carnuda e macia. Alguns dias se passaram, e Nádia foi com as crianças mais uma vez dormir lá em casa. Nessas ocasiões eu e ela éramos quem dormíamos por último, ficando assistindo à TV, até mais tarde, deitados lado a lado num colchão ali colocado para ela dormir, Nessa noite, específica, o meu avô também lá estava. No entanto, agora a situação era outra e tudo que eu queria era me aproveitar mais uma vez da situação. Anteriormente eu sem malícia alguma passava a perna por sobre ela assistindo ao filme até que um ou outro adormecia para mais tarde eu ir para minha cama. Lembrando disso, comecei as minhas investidas: ela virada de lado me proporcionava a bela visão do sua bunda e de suas coxas, que se mostravam de vez em quando, sem maldade alguma, ao subir o camisola devido a um ou outro movimento mais brusco. O meu avô nada percebia. Primeiro bem devagar, eu roçava suavemente e aos poucos meu pênis naquela coisa maravilhosa, depois fingindo a velha passada de perna, me encaixava completamente. Eu sentia a minha pele quente colando à pele geladinha e macia de suas coxas. O problema era que eu estava bastante excitado e temia que ela percebesse e se criasse uma situação constrangedora. De repente, e achei a princípio que era impressão minha, que ela ora forçava a traseiro para junto de mim, ora o afastava quase que bruscamente. Quando ela pede um favor ao meu avô para lhe buscar um pouco dÂ’água na cozinha. Confesso que achei estranho: coitado, o velho debilitado se levantar em vez de ela ou eu mesmo. E Lá foi o meu avô; e então o que aconteceu a seguir me deixou surpreso e envergonhado, ela sem se desencostar de mim perguntou: “Celinho, o que você está fazendo?” assustado e ainda me fingindo de bobo, respondi que não sabia do que ela estava falando. Ao passo que ela insistiu: você está ralando na minha bunda há um tempão, mão faz isso, eu sou sua tia. Ela ia continuar falando quando o meu avô voltou com o copo de água, ela aproveitou e jogou o cobertor por cima de nás dois e agradeceu ao meu avô, dizendo para ele colocar o copo sobre a mesinha que ela já tomaria, foi quando nesse pequeno movimento dela, fez que naturalmente suas nádegas pressionassem mais forte o meu Pênis, fazendo que eu gozasse de imediato, soltando um pequeno gemido. Disfarcei e levantando fui para o banheiro tomar banho. No outro dia, confesso que foi difícil encará-la, mas então não desisti de minhas investidas. Até que um dia, no carnaval, à noite, estava passando um bloco sujo na rua e todos foram para a janela dos quartos para vê-lo passar. Na minha casa tinha três janelões que davam para a rua. Um grupo de pessoas ficou em um cômodo, outras em outro e, Nádia estava sozinha com a sua filha ao lado, em um quarto com as luzes apagadas; não deu outra, nova oportunidade para eu tirar mais um sarro, pensei, num misto de culpa e excitação. Fui me aproximando devagar, fechei a porta do quarto e me posicionei atrás dela que era mais alta do que eu. Sem demora, fui logo me encostando, ela surpresa virando-se disse baixinho: “Já vem você, hein, olha que sua priminha está aqui”. E eu sem mais esperar e desta vez descaradamente comecei ofegante a forçar o meu membro contra a sua poupa macia. Ela dizia baixinho para eu parar, mas eu não conseguia, e continuava o meu ofício. Num momento de loucura, fui levantando a sua saia aos poucos, ao mesmo tempo em que minhas mãos se fartavam com aquele “pedaço de carne” `mais desejado por mim até então e ela insistindo “Célio, você está doido? pára!” E eu, louco de tesão. Juntei as duas extremidades da calcinha dela dentro do rego e continuei , ora amassando a sua bunda maravilhosa, ora roçando nela. Aí eu percebi que ela parou de lutar e virando para mim, sussurrou: “sá um pouquinho então, cuidado, com a Marcelinha aqui do lado” e forçou aquela delícia contra o meu pênis que fez que eu me segurasse para não gozar naquele momento, tal foi a sensualidade da situação. Ela para melhor me ajudar tinha que se abaixar um pouco começou a rebolar devagarinho. Eu aproveitei e ameacei a alisar a sua vagina, mas ela logo me avisou: “assim, não”, puxando a menina para sua frente, começou a rebolar mansamente, mo ritmo do batuque na rua, o que facilitou o meu trabalho. Logo percebi que ela, de vez em quando dava uns gemidinhos abafados. A menina inocente percebendo os movimentos estranhos perguntou por que ela estava se balançando e lembro que ela respondeu: “mamãe sá está dançando e cantando, filhinha”. Não resisti e coloquei meu mastro para fora do calção e ela assustada pediu para eu não fazer aquilo, mas não dei ouvidos e a puxando para mim comecei a pincelá-lo em suas coxas. O desfile se aproximava e ela, para me ajudar, aumentou o rebolado, tentei abaixar a sua calcinha, mas isso também ela não deixou. “Termina logo com isso, ela disse baixinho”. Foi então que eu molhei o meu dedo médio e fui forçando a entradinha do seu ânus, que ao primeiro contato tentou se esquivar, mas com a minha insistência, falou:” devagar”. Por sorte a minha priminha disse que ia ver o desfile com a vová. Tia Nádia então se ajeitando falou “então vai, filhinha, mas tranca porta”. Pronto, estava melhor agora. É estranho como na excitação a gente faz loucuras: eu me abaixei e levantei a sua saia e desci rapidamente, ela tentou puxar de volta a sua calcinha, mas desistiu. O que eu vi mesmo ali na penumbra, eu nunca vou esquecer; que coisa linda, carnuda e cheirosa! Comecei a beijá-la e mordiscá-la devagarinho, ao mesmo tempo em que a cheirava e amassava. Aí, sim, ela começou a gemer ainda mais, embora ainda implorasse: “Célio, pára, com isso”, porém não satisfeito abri as suas nádegas com as mãos e comecei a lamber o seu reguinho cheiroso voluptuosamente. Acho que isso foi a gota dÂ’água para ela que começou a arfar audivelmente. Levantei-me de novo e apontei o meu pênis para a sua bundinha melada pela minha saliva, tentando “achar o caminho” ela assustada sussurrou. “Não! Não!, nem pensar!” e eu sem dizer palavra, sá forçava a entrada. E ela desesperada: “pára, eu nem pro Arnaldo deixo isso” mês eu teimoso, continuava. Até que ela virando pescoço para o meu lado, pediu apenas, então molha de novo e coloca sá a pontinha, tá?” quase desmaiando de tesão eu disse qualquer coisa concordando e a inclinando na janela lhe dei mas alguma lubrificada. Ao ver aquele monumento me esperando , pensava comigo para não gozar antes e estragar tudo. Levantei-me de pressa e guiei meu Pênis para o seu traseiro e fui forçando a entrada. “por favor, faz logo que pode chegar alguém!” disse ela já com a voz rouca e gemendo. Ao sentir o músculo retesado parei e fui empurrando devagar ao mesmo tempo que sentia ela forçando o corpo para trás para ajudar na penetração. A cabeça entrou e ela deu um gritinho, mas continuou o movimento. Mas eu queria mais, virei o seu rosto e comecei a beijar a sua boca, ela já inebriada de volúpia retribuiu sem reclamar. “vai logo, vai logo, alguém pode ver”, dizia entre os dentes. Quando me subiu um fogo e eu a puxando pelos quadris fui introduzindo ainda mais, ao que ela”gemia “pára, não enfia mais não, você, prometeu, aaai!” e eu parava, para em seguida continuar: “Celinho, por favor, não enfia mais”. Com certa dose de raiva misturada ao tesão, juntei ela contra a parede da janela e enterrei de tudo de vez, fazendo gemer alto, por sorte não ouvido por ninguém devido ao som que vinha da rua. Ela, chorando, aumentou o rebolado e eu os movimentos de vai-vem, continuei a estocar, gozando feito um louco. Creio que ela deve ter sentido prazer e dor ao mesmo tempo “Tá satisfeito, agora?, vai embora, garoto!” o que eu prontamente atendi, de pernas bambas e saciado. A minha tia continuou a frequentar normalmente a nossa casa, mas nás sá voltamos a tocar no assunto cerca de 6 anos depois, quando já estava para casar. “Você me machucou aquele dia, menino. Pelo amor de Deus, não conte aquilo para ninguém”. Hoje sou casado, pai e feliz. às vezes me arrependo disso. Não acho vantagem ou desvantagem naquilo. Era apenas um garoto e sua iniciação sexual, coincidentemente, com uma tia; o que, depois de anos, resolvi contar.



VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


escravizando minha funcionaria conto eroticocomi a minha mãe na chantagemVídeos porno istrupei a mulata sem tirá o chortinhoconto erotico meu irmozinho me suprendendo com a sua primeira gozada da sua vidafazer sexo anal com cachorro pequeno e possivel ficar engatadoconto erotico patroa tarada passando mao na buceta lesbic.meu filho viu meubucetao peludo e meteu a rola.. contos.Contos eroticos dor no sacominha bunda grande contocontos de meninas que adoram ser estrupadas por todos dà casaconto erótico enteada querendo dar po padrastocontoseroticos.o macumbeiroconto erótico padre comendo paroquianaSubrinha sapeka adora usa ropinha provokante para da para mimporno contos subornei minha intiadacontos eroticos podolatria com a minha maeContos esposa do meu irmãoConto erotico adoro chupar buceta azedinhacontos eróticos morando com filhocontos de cú de irmà da igrejaestava dando pro amante meu marido ligou casa dos contosO que e aclauzacontos eróticos gay brincando com os amiguinhos na infânciacontos eroticos meteram em mim e fiquei muito abertacontos de meninas que adoram ser estrupadas por todos dà casaMenina Má tava dormindo sem calcinha eu penetrei meu pau na b***** delacontos eróticos amadores com fotos de casais realizando fantasias de Megane masculinoQuero ler so contos meninha no colo do padrinhocontos eroticos femininos o angolano conto.erotico..casada.18..anoscontos eroticos comendoa crente no trabalhoconto erótico gay chupei sem querercontos eróticos maecontos.por curiosidade virei viadinhooo dos padrescomendo a cunhadinha lindinha contos eróticoscontos sentando no colo novelaO amigo dele me comeu contoso pastor comeu meu cu contos gaywww.meu filho mim comeu com doze anos contoconto erotico historia de mulheres casada em fretando pau gradecontos eroticos fui comida por varios homendsou cadela pratico zoofiliacontos esposa da o cu no acampamento ao lado d marido no escurocontos eroticos mulhe conta.como deu a buceta eo cuSou casada mas bebi porro de outra cara contospapai me ensinado mamar contoscheiro de mulher conto eroticomeu irmao tirou minha virgindadehttp://tennis-zelenograd.ru/conto_3433_irmazinha-viciada-em-masturbacao.htmlporno mulheris con a perna meia canbotameu namorado me fez de putaDesvirginando a subrinha de 18 anosbuceta toda escancarada putariaassalto virou incesto c. eroticoreal conto cunhadocontos de cú de irmà da igrejacontos esposa quase nuap*** da bunda grande deixando seu c* todo arrombado com peito bem grandecontos erotico trepei com meu padrasto ver fotoscontos eróticos sou casada e trai o marido com negão africanochorei mas aguentei tudo contos eróticosSou gay e tranzei com um travest contos eroticoconto erotico dando desde novaFui bolinada por debaixo da mesa na presença do meu marido. conto eróticoconto gay pirocudo da academiacumendo a buceta cuinhadaConto erotico viuva carenteconto eridico puta velhacontos eroticos cadelaconto marido convido amigo para engravidar mulherContos eróticos de incesto orgia com a mamae na chacáraContos eróticos arrombei a linda noiva santinha do meu vizinho ciumentoMinha cuinhada sandra se pingando todaFoderam gente contos tennscontos eroticos mulhe conta.como deu a buceta eo cuesposinha ciumenta contos eroticoschupando mamilos com sofreguidaocontos eroticos traindo marido na Sala ao ladocontos de meninas que adoram ser estrupadas por todos dà casaconto de esposa vendo seu marido na rola de outrovideo fui enrabado no acampamentominha esposa de shortinho na obra contocontos de pagando com ocúconto erotico irmacasadamorena dano a boceta po cavelecontos eroticos dentro da piscina